segunda-feira, janeiro 07, 2008

O amor verdadeiro começa lá onde não se espera mais nada em troca.


" Não confundas o amor com o delírio da posse, que acarreta os piores sofrimentos. Porque, contrariamente à opinião comum, o amor não faz sofrer. O instinto de propriedade, que é o contrário do amor, esse é que faz sofrer. (...) Eu sei assim reconhecer aquele que ama verdadeiramente: é que ele não pode ser prejudicado. O amor verdadeiro começa lá onde não se espera mais nada em troca. "

(Antoine de Saint-Exupéry, in 'Cidadela')





" Tenho contudo para mim ,e cada vez mais ,que o amor é um sentimento libertador e porventura das maiores fontes de motivação humana.Acho que amamos como estamos na vida e crescemos no tempo de vida na forma como entendemos e manifestamos amor.Alguém disse um dia que "deixo livre os que amo porque.."porque sim, digo eu! "

(M.)


" Creio que a essência do amor verdadeiro esteja na sua própria liberdade, equilíbrio e tranquilidade, de um dar... dando-se... transparente, sem egoísmo e sem receios, onde crescemos com ele, e com ele se enraíza laços de cumplicidade, partilha e de respeito... "

(Aran)


" ... alguém disse algures no tempo e no espaço que possuir o amor é como tentar segurar nas mãos um monte de areia, se as abrires demasiado a areia fugirá, mas se fechares as mãos totalmente ela também conseguirá fugir. deixar as mãos meias abertas e dar a liberdade e o espaço que ela precisa,mas fechadas o suficiente para proteger, assim ela não foge."

( Iruvienne)


Por vezes um post cresce ....
Deixo um pouco do muito que trouxeram para este post...,
espero que me permitam ter feito estas citações sem um pedido prévio
Três beijos ...
Pescador



5 comentários:

Anónimo disse...

Olá!
É um enorme desafio comentar este post.
Saint-Exupéry escreveu coisas deliciosas e já nem estou a pensar no principezinho...estou-me a lembrar do"vôo nocturno",além deste que citas aqui e que tem passagem de um recorte quase mágico...
Relativamente ao amor ele tem afirmações de uma ternura infinita e tanto mais deliciosas por terem um carácter de uma certa forma de olhar e sentir os outros,sem lamechice mas com uma enorme empatia.
Levar-nos-ia longe uma conversa sobre a conceptualização da ideia de amor e das formas de o manifestar...
Tenho contudo para mim ,e cada vez mais ,que o amor é um sentimeto libertador e porventura das maiores fontes de motivação humana.
Acho que amamos como estamos na vida e crescemos no tempo de vida na forma como entendemos e manifestamos amor.
Alguém disse um dia que "deixo livre os que amo porque.."porque sim, digo eu!
Só as escolhas livres envolvem tranquilidade e cumplicidade, fundamentais para se crescer e realizar como pessoa.
:)
Ups que escrevi muito e nem tenho a certeza qe fui clara.

Um abraço
M

Aran disse...

Olá! Bom ano!
Não conheço o livro, mas conheço o autor...
Um pequeno excerto, que por si só, se torna controverso e que muito provavelmente no seu todo, será bem mais esclarecedor....
Porém, apesar de tudo, não deixa ser verdade, mas.... não esqueçamos, a problemática que ele próprio contém... quando afirma que “o amor não faz sofrer”... pergunto então, como explicam aqueles que sofrem de amor, e nestes casos fala-se dos amores não correspondidos... serão eles uns mentirosos??? Poderemos afirmar com a certeza absoluta que o seu amor não é verdadeiro??? Evidentemente que um amor possessivo carreta consigo o sofrimento, e consequências arrasadoras, mas que se justifica-se somente porque lhe é roubada a liberdade desse sentimento, por vezes o aniquilamento... pois quando este desabrocha necessita de se expandir... espaço para crescer, criar laços de cumplicidade, partilha e de respeito... um acto tão natural e tão caracteristico...
“Ele não pode ser prejudicado”... desde que as suas bases estejam solidas e assentes numa confiança mutua... e se for prejudicado???? Então não amavam verdadeiramente????
E o seu expandir, poderá ser julgado como um instinto de propriedade... posse??? E mais uma vez... poderemos julgar que quem age consoante esse contexto, não ama verdadeiramente???
“começa lá onde não se espera mais nada em troca”... E então sujeitamo-nos ao que nos é imposto, sem regras, sem limites, porque assim deve ser um amor verdadeiro???
Além de que se espera sempre algo em troca... nesse esperar mais nada... quanto mais, nem que seja.... um afecto, um carinho, um cuidado... A não ser que o "não esperar mais nada" esteja num plano mais material, do que no plano espiritual...
Creio que a essência do amor verdadeiro esteja na sua própria liberdade, equilíbrio e tranquilidade, de um dar... dando-se... transparente, sem egoísmo e sem receios, onde crescemos com ele, e com ele se enraíza laços de cumplicidade, partilha e de respeito...

Um beijinho grande

Iruvienne disse...

huum... Saint-Exupéry, só podia ser alguma verdade incontornável! sempre gostei da forma como ele escreve.. =)

alguém disse algures no tempo e no espaço que possuir o amor é como tentar segurar nas mãos um monte de areia, se as abrires demasiado a areia fugirá, mas se fechares as mãos totalmente ela também conseguirá fugir. deixar as mãos meias abertas e dar a liberdade e o espaço que ela precisa,mas fechadas o suficiente para proteger, assim ela nao foge.

é uma metáfora meio tonta nao é? mas sempre gostei dela =)

ambos falam de algo importante.. liberdade do amor... oh gosto! ^^

um excelente 2008 Pescador! um ano com mais boas marés do que tempestades (as tempestades também são necessarias, acho) e assim com tudo aquilo que possibilite a concretizaçao do que desejas.

bjo**

Pescador disse...

aos poucos volto...
...tenho navegado por águas passadas desta barca e tenho sorrido muito...
encontrei por aqui o melhor que o ser humano tem...
a sua alma e a beleza que esta guarda !!
Penso voltar a ter mais tempo para a barca..., ou melhor, mais tempo para quem me visita...
tempo para poder visitar...
...
Bjs docesssss
Pescador

Aran disse...

:)
Outro para ti...
Beijoka e bons sonhos...