terça-feira, outubro 13, 2009

"Talvez me engane..." - Continuação



Talvez me engane...
mas acho que vou sentir a tua falta !!
Não, não me enganei, eu senti a tua falta
Vou sentir falta do barulho a escorregar pelas escadas
Do toque a medo na porta
Senti o silêncio pesado que escorregava pelas escadas
e que sem medo me tocava à porta

Vou sentir falta do...
- olá gajo, tás bem disposto !!
e do sorriso ensonado

Senti a ausência de não haver ninguém
que me pergunte se tou bem

e sabia que com pouco de sorte
talvez ouvisse um anhhh
e um rosto que se virava para o lado
Talvez me engane...
mas acho que vou sentir falta dos atrasos e das desculpas
dos cafés tomados em sitio incerto
das lutas travadas e sempre perdidas com aqueles doces "Jesuitas"




Senti o acto de olhar para o relógio
a ver os minutos a passar..
de tomar café e não ter ninguem ao lado
para quem podesse olhar,
por entre um golo de café e um bolo de palavras
Vou sentir falta das histórias, das palavras...
das confidências ...
dos sorrisos e das gargalhadas
Senti o silêncio por entre o barulho da multidão,
o olhar que procurava o rosto familiar por detrás
da janela do comboio, a ausência da partilha
de emoções ou das pequenas banalidades da vida...




Vou sentir falta do teu ombro ...
da capacidade para me pores sempre bem disposto



senti a dureza da parede na estação de comboio, e as marcas ao meu lado, vazias de quem as ocupasse..., e por conta disso um Pescador passou acordar mais tarde, nunca antes do meio dia...;-) ,
Senti a tua falta porque a “miuda” que havia e que há dentro de ti, tinha o dom de acordar o Pescador.
Deixei de sentir a personagem que veio do mesmo mundo que o Pescador. Percebes.

Talvez me engane...
mas acho que vou sentir falta do "barulho" no autocarro
e das conversas que tinham sempre motivo para existir
mesmo se motivo não houvesse
Senti o silêncio, um silêncio vazio e seco...,
uma ausência de palavras que me levavam de casa para o trabalho ...,
num trajecto que era tão nosso, e de repente era tão só meu.
Senti inveja, dos novos vizinhos, daquilo que falavas deles, daquilo que falavas com eles...
Vou sentir falta dos comboios que partiam vazios
porque a nossa vontade era contrária a direcção que eles tomavam
Senti falta da decisão tomada em cima do trilho,
em como não seria aquele o comboio a nos levar ,
mas antes o outro , ou quem sabe o outro.
Comecei a chegar a horas ao emprego....
Vou sentir falta da tua boa disposição
Vou sentir falta da tua má disposição
Continuo a sentir as tuas dores, as tuas lágrimas,
a tua raiva, a tua má disposição, os teus desabafos...,
mas deixei de sentir o teu sorriso, a tua alegria,
as tuas gargalhadas, as confidências banais,
o teu silêncio, as tuas “caralhadas”, a rotina
da tua presença, a tua boa disposição...
Talvez me engane...
mas acho que vou sentir a tua falta !!

e senti...
Talvez me engane...
mas acho que não !!
não, não me enganei, eu sinto a tua falta
da rotina doce, sabes, eu continuei estar
 “presente”, num telemóvel, num telefone,
num mail..., mas tu deixaste de ali estar...,
estás perto e no entanto estás tão longe...







NOTA: És tu que foges... ou sou eu que não consigo falar !?!?


O texto chamava-se "Talvez me engane...
http://abarcadopescador.blogspot.com/2005/07/talvez-me-engane.html

3 comentários:

Maxwell disse...

Lindo. Não sei se do somno ou da carga emocional mas, quaise que me caía uma lágrima por te ler. Obrigado por escreveres o que escreves.

PS: Pergunto-te eu então: Estás bem?

Iruvienne disse...

certas rotinas não deviam ser alteradas por nada deste mundo, fazem parte da nossa felicidade, coisas pequenas assim..

abraço e bjos doces

p.s.: finalmente pus no blog um excerto que já te tinha referido, sobre a amizade. demorou mas saiu.

Bruma disse...

Gostei da escolha musical!
Tenho pena não ter visto filme...
E claro que tb gostei do texto..

Bjinhos