sábado, novembro 28, 2009

Conjugação do Verdo Adorar ( Bau de Memórias )

Adorei  os mergulhos que demos num Atlântico que parecia ser, naquele momento, muito mais azul que no princípio das férias.


Adorei  a sueca, apesar de uma certa frustração quanto aos resultados, mas por outro lado, acho que a parceria em tal jogo nunca será um futuro desportivo em comum.


Adorei  o seu gosto musical (acho que gosto mais de U2 agora do que a um mês atrás…) e a forma como ela vive a música.


Adorei  o nosso Wimblendon especial em terra batida, os seus serviços e passing shots de direita.


Adorei  o reflexo do espelho que fui encontrar no Algarve.


Adorei  o bife à Diana.


Adorei  os passeios que dávamos e cujo destino final escrevia-se sempre com a palavra farol, independentemente de termos a lua ou o sol por companhia (…mentira, gostava muito mais quando era a lua a fazer-nos companhia…).


Adorei  vê-la sozinha a contemplar o mar, perdida por entre pensamentos que valeriam de certeza mais do que os cinquenta centavos que lhe ofereci…, e ela estava lá tão perdida como perdidos ficavam os seus cabelos a flutuar nas mãos do vento.


Adorei  as conversas, as suas opiniões, a sua perspectiva do mundo.


Adorei  a forma como ela falava com poesia na boca.


Adorei  a rosa que me deu na noite em que nos despedimos.


Adorei  a sua sinceridade e a enorme capacidade de compaixão.


Adorei  a sua força, a sua garra e o seu carácter.


Adorei  sentir o calor da lua em noites de lua quase cheia.


Adorei  a forma como ela prometeu que iria deixar de fumar.


Adorei  a coruja que esvoaçou de uma conversa.


Adorei  o seu sorriso e as suas pestanas (don’t ask why !?!).


Adorei  ouvi-la falar de teatro e de futebol.


Adorei  o filme “Anaconda” mesmo sem o ter visto.


Adorei  apanhar banhos de sol junto do corpo dela.


Adorei  ter me despedido com ela dos nossos mais queridos amigos, a lua, o pontão, o farol e o mar.


Adorei  ouvi-la a cantar a canção do zás.


Adorei  a forma como ela escreve prosa, utilizando a caneta como pincel e as letras como tinta.


Adorei  o seu sentido de equilíbrio e a forma despreocupada como se veste.


Adorei  a capacidade que teve, que tem e que terá, em me surpreender.


Adorei  o café que me pagou na fortaleza.


Adorei  o recibo das portas do paraíso.


Adorei  sentir a sua cabeça no meu ombro.


Adorei  os beijos e o beijo de despedida.


Adorei  conhecê-la.


Adorei-te 
... 


Adoro o verbo adorar…

3 comentários:

Bruma disse...

Uma bonita homenagem... carregada de doces e quentes lembranças!

Bjitos

Iruvienne disse...

=) e quem te ler vai adorar o poema e ficar com aquele sorriso idiota, perfeito e babado ao associar as tuas lembranças às suas proprias lembranças.

é sempre bom ficar com as coisas boas..**

Pescador disse...

duvido...
duvido que ela o leia...
e duvido que sorria...
esta barca guarda nela um bau, onde por vezes eu deito estas memórias para que elas por aqui fiquem vivas !!
...
bjs docessss
Pescador