quarta-feira, junho 08, 2005

O dia em que o Pescador desapareceu...


O dia em que o Pescador desapareceu... Posted by Hello


Lembras-te da praia ?
Aquela que tu amavas…,
…amas !?!
E da falésia no fim do ano !?!
Lembras-te das duas, rodeadas,
por águas paradas e cristalinas ?
Lembras-te…
Da praia…
Da falésia…
Delas…
Das duas….
E dos beijos trocados por corpos tão diferentes…,
mas no fundo...
absolutamente iguais defronte do espelho…,
lembras-te ?
E como era belo o seu corpo…,
o dela !!
E bela também era,
talvez, a falésia.
Como assim o era,
nos teus olhos a praia.
E é tudo tão belo, não é !?!
Então porque é que choras ?
Porque é que choras lágrimas que a falésia leva para o mar…,
e que na praia a maré vem buscar.
Sim, porque é que choras ?
Lembras-te da magia na falésia…,
local donde a gaivota salta !?!
E a toalha de praia,
que te aquecia,
da água gelada e fria !?!
Lembras-te de saires da água,
pé ante pé,
ansiando pelos braços de areia,
pois a praia estava vazia de sombras !?!
E da emoção do reencontro com a suavidade áspera da falésia…,
as duas, sozinhas…,
lembras-te !?!
E dos beijos e abraços que trocaste com elas !?!
Beijos e abraços cujo o som se confundia,
e quase abafava o som da onda,
que repetidamente batia atrás de ti…,
e delas.
E não chovia…,
Mas parecia que ela dizia…,
qualquer coisa.
Lembras-te de agarrares a falésia e com ela dançares,
girares,
até entonteceres e só parares nos braços da areia molhada,
que para ali tinha sido levada
pelas mãos de uma qualquer maré…,
...lembras-te !?!
Lembras-te de passeares e de saltitares pelas rochas,
braços e pernas da falésia,
e na praia invocares a criança
que tão cedo te obrigaste a deixar de ser…!?!
Lembras-te das confissões que lhes fizeste,
dos cigarros que com elas fumaste,
e das conchas que trocaram ?
E possui-las, lembras-te !?!
Lembras-te quando tocaste no coração da falésia,
e esta possuiu-te…, levando-te para dentro dela…,
da rocha !?!
E a praia !?! Possuiste-a ou foi ela que te possuiu ?
Lembras-te de abraçá-la,
e de conseguires conservá-la junto a ti,
a areia
que em outras mãos fugia por entre os dedos.
Lembras-te…!?!
Eu ainda me lembro….
E as ondas, aquelas que não te quiseram tocar,
lembras-te delas !?!
Eram azuis, não eram…!?!
Lembras-te de ficares paralizada a olhar para o mar,
em outra praia, à sombra de outra falésia,
deixando que o ritmo da maré te hipnotiza-se !?!
E de olhares o mar a cantar…,
a cantar como se o mar fosse a lua,
e a lua fosse o mar…, lembras-te !?!
Lembras-te do poema…,
da noite, do luar, do calor, do cheiro,
do sabor salgado que supostamente o mar tem…,
ou que supostamente tu pensavas que ele tinha !?!
E do mar que não o outro mar,

no passado do verbo navegar !?!
Lembras-te dele ?
O mar.
Sim, esse mar…, sempre mar…,
o mar que em tudo fazia de todos o mar,
sempre e a qualquer momento,
a propósito de tudo.
Lembras-te dele…,
sempre azul, violento, misterioso…,
apaixonante, apático…,
calmo, furioso !?!
Deste mar que era tudo e nada…,
que era o princípio e o fim…,
o não e o sim…,
a alegria e a tristeza…,
a sabedoria e a inocência…,
o amor e o ódio.
Lembras-te…,
do mar que é tanta coisa e no fundo,
no fundo…
é apenas água.
Tão simples como isso
Lembras-te !?!
Eu já não me lembro….

….

NOTA
Esta palavras podiam ser azuis,
da cor do mar, do céu,
mas é assim só para contrariar…,
não há nada perfeito, afinal de contas.

11 comentários:

Aran disse...

Não, o pescador não desapareceu... ele ainda existe... só que ela deixou de existir nele... Beijinhos

sylpha disse...

Provávelmente seria outro pescador ou quem sabe alguém vestido de sereia... porque o pescador desta barca ainda nos leva a passear :)) Beijo grande

Charlotte_s disse...

Concordo c/ a Aran e faço dela as minhas palavras!! Já tinhamos falado sobre isso... Parabéns pela forma como escreves;)
Beijo****

Pescador disse...

É apenas uma partilha..., eu sei que ele que não desapareceu...,andou desaparecido.. e é engraçado falares em sereia Sylpha, pois foi uma que o encontrou ...mas sabem, ele ainda não existe como tempos existiu ... e ai talvez resida o meu maior desejo e medo... que ele volte !!
Bjs lindas ...
....

Carla disse...

Os braços de areia, os saltos das gaivotas, as falésias que partilharam segredos... há quem não tenha uma praia assim tão especial. Que nunca se perca na memória. São lindas as imagens mentais que nos transmites :) Beijo grande :)

Patrícia disse...

Pois eu acho que ele nunca apareceu, nem desapareceu...esteve sempre...Beijinhos!

Lana disse...

nao te lembras??...imagino se te lembrasses :)

( tens uma coisita no meu blog do butterfly pa ti :P )

Drops disse...

Pescador, os sorrisos sinceros são sempre perfeitos.
Está profundo... profundamente triste, profundamente belo.

=)
Um beijo
Drops

Anónimo disse...

Pescador
Como tinha dito, deixei o desalento para trás.As mágoas estão guardadas numa prateleira. O Blixen vai continuar.
Muito devido ao estímulo que recebo quando deambulo pelos vários blogs que vou visitando.
Mais uma vez, parabéns pelo poemas e pela conjugação da cor e das melodias.
Bons feriados.
Cris

Gaivota disse...

Tu lembras-te. Ela lembra-se. A falesia lembra-se. A praia lembra-se. A gaivota que se atira da falesia tambem se lembra. Há alturas que nao se esquecem, simplesmente desaparecem das horas dos dias, nao desaparecem de nós. Sobram horas dentro de nos para vivermos estes momentos.

Shadow disse...

engraçado... li este texto há uns anos num site qualquer... acho que ainda o tenho impresso.. e guardado no apartamento la da universidade.. (curioso)